santoaleixo

quinta-feira, janeiro 31, 2008

Projecto de exploração agropecuária da Raça Arouquesa no Planalto da Serra da Freita

A raça Arouquesa é hoje em dia um dos símbolos de Arouca e das suas gentes.
(…)
(…) associações e entidades que decidiram valorizar todo o potencial do “Arouquês”.
Neste particular, penso ser justo destacar:
- ANCRA: Associação Nacional de Criadores de Raça Arouquesa
- Agrupamento de Produtores de Bovinos da Raça Arouquesa
- Várias cooperativas agrícolas da área de dispersão da raça Arouquesa
- Confraria Gastronómica da raça Arouquesa
- Autarquias dos concelhos da área de dispersão.
- Criadores particulares com amor à raça Arouquesa.
(…)
(…) Arouca possa tirar mais e melhores contrapartidas deste “filão” que decido apresentar o seguinte projecto/ideia.
(…)

Arouca foi, é e será uma terra de agricultores e em muito ligada ao sector primário da nossa sociedade.
Sendo que o sector secundário e terciário representem já uma boa “ fatia do bolo” que exprime as diversas actividades exercidas pelos Arouquenses, a agricultura e a pecuária continuam a ser, senão as mais representativas, das mais salientes profissões dos Arouquenses, tendo como consequência uma representatividade económica importante no concelho.
(…)
(…) pastoreio em pleno planalto, tem vindo a diminuir ao longo dos anos, não restando neste momento não mais que uns poucos resistentes que o ainda continuam a praticar, como um também cada vez menor número de animais.
É este mesmo pastoreio em baldio que me proponho apresentar como sendo um projecto exequível a implementar em Arouca.
(…) num projecto que poderá ser pioneiro e inovador, a aposta na raça Arouquesa como foco de dinamização de Arouca parece-me evidente.
(…)
Conceito do projecto: Promoção do pastoreio em baldio no Planalto da Serra da Freita e consequente produção em regime extensivo de bovinos de raça Arouquesa.
A cada animal em pastoreio corresponderia, ou não, um proprietário, alguém que “apadrinhasse” o animal, que poderiam ser desde particulares, a estabelecimentos comerciais, instituições das mais variadas índoles, de Arouca, do país e do mundo.
À equipa coordenadora do projecto caberia a responsabilidade de cuidar dos animais, o que acarretava desde logo garantir a sua alimentação, saúde animal, estabulação, comercialização e venda e todos as realidades interrelacionadas com todo o ciclo de produção de gado Arouquês desde a sua nascença até a venda para abate.

(…)
Segue-se, no documento original, uma descrição pormenorizada das várias fases do projecto e o seu plano de acção, dividido em 3 fases, das quais irei somente nomear algumas:

Fase1:
Criação das estruturas e contratação de pessoal necessário para a execução e subsistência do projecto
Estabelecimento de protocolos e parcerias com outras entidades associadas à pecuária em Arouca, e à produção e comercialização de carne Arouquesa.

Fase 2:
Estabelecimento de maneio reprodutivos e alimentares que permitissem que o projecto tivesse a sua auto subsistência
Criação de página na Internet: local na Internet onde estariam disponíveis todas as informações sobre os animais da manada (fotografias, índices reprodutivos, peso, etc.); desta forma cada “proprietário/padrinho” poderia consultar tudo o que se passava com seu animal independentemente do local onde se encontrasse
Promover Workgroups e formações: promover acções que permitissem às populações conviver de perto com estes animais, e assim ficarem com um maior conhecimento sobre os mesmo e sobre a vida rural.
Fase 3:
Alargar o presente projecto a outras zonas do vale/ serras de Arouca




No dia 2 de Setembro de 2007 em reunião com o Presidente da Câmara Municipal de Arouca dei a conhecer este projecto/ideia que me parece ser de todo interesse para Arouca.
Era uma ideia que já geminava desde os meus tempos de estudante académico (que não são assim tão longínquos) e que decidi passar ao papel para desta forma tentar incentivar e o dar a conhecer a algumas entidades oficiais que poderiam assumir papéis decisivos na sua concretização.
Nessa reunião procurei transmitir a minha ideia de forma mais translúcida possível.
Nessa mesma altura foi-me dito que existira já por parte da C.M.A alguns contactos e agendamentos para levar avante um projecto muito semelhante aquele que estava apresentar na altura, que inclusive que a câmara contrataria uma técnica especializada para servir de mediadora e coordenadora entre esta e outras entidades envolvidas no projecto.
Aparte da coincidência e confluência de ideias entre mim e a C.M.A o projecto parecia ter pernas para andar num curto espaço de tempo.
Esperava, a C.M.A, em meados de Outubro de 2007 poder já apresentar algumas novidades sobre o mesmo, a sua viabilidade e tempos de execução.
Como é natural, fiquei satisfeito com esta situação, visto uma ideia que me entusiasmava particularmente estava a merecer alguma atenção e dedicação por parte da autarquia.
Fiquei então, ansiosamente, à espera de novidades, pelo que não encetei contactos com mais nenhuma associação/ entidade no sentido de dar a conhecer o projecto.
Apresentei e deixei o meu projecto na C.M.A. disponibilizando-me para qualquer situação em que poderia ser útil.
Todo este desígnio teria não só um enquadramento na área da produção e comercialização de carne de raça Arouquesa, bem como desempenharia um papel importante no turismo, na criação de emprego em pleno planalto da Serra (o que actualmente é raro suceder), preservação ambiental, etc.
Espero que brevemente surjam algumas boas novas sobre o mesmo.
Estamos em Janeiro de 2008 e decidi dar a conhecer aqui no blog as linhas mestras desta ideia.



2 Comments:

  • Sr Paulo Teixeira
    É de louvar a iniciativa de criar um projecto desta natureza. Actualmente são poucos aqueles que têm capacidade e vontade para assumir um empreendimento destes, talvez porque pensem que tudo o que esteja ligado à agricultura seja coisa do passado (o que um dia destes verão que está mais actual que nunca!!!), ou talvez devido à insuficiente ajuda por quem de direito.
    Venho por este meio pedir-lhe, se possível, informações acerca deste tipo de projectos, visto que pretendo criar um projecto na área da exploração agro-pecuária (caprinos). Se fosse possível qualquer tipo de ajuda agradecia.
    Com os devidos cumprimentos
    Carla Gonçalves

    By Anonymous carla, at 10 janeiro, 2009 22:53  

  • Sr. Paulo Teixeira.
    Fiquei contente em verificar que a agricultura não se encontra de todo abandonada. Mais ainda que conta com o apoio de uma instituição local. Pretendo também realizar um projecto agro-pecuário para aproveitamento dos terrenos de alta montanha "abandonados" da zona de cinfães. Agradecia que me disponibiliza-se informação de como realizou o seu projecto. Obrigado.
    Manuel Prego

    By Blogger Leonam Somar, at 04 fevereiro, 2009 11:41  

Enviar um comentário

<< Home